terça-feira, 18 de julho de 2017

CRUZ DAS ALMAS: Suspeito de tráfico morre e menor de 17 anos é apreendido durante ação policial na zona rural

Segundo informações, um suspeito de tráfico de drogas morreu e um adolescente foi apreendido durante uma ação policial conjunta envolvendo as polícias Militar e Civil ocorrido no fim da manhã desta terça-feira (18/7) no Minha Casa, Minha Vida da Pumba (zona rural) de Cruz das Almas.

Segundo versão policial, uma guarnição do Pelotão Tático Operacional (PETO) juntamente com investigadores da Polícia Civil que atuam na Depol da cidade, faziam uma incursão pela comunidade até serem recebidos a balas nas proximidades das "Casinhas", desencadeando uma troca de tiros resultando na apreensão de um menor de 17 anos e na morte Robson Silva dos Santos, vulgo “Rob”.

"Rob" chegou a ser socorrido pelos policiais, mas não resistiu e morreu ao chegar na Unidade de Pronto Atendimento (UPA24h).

Ainda de acordo com a versão policial, em poder de "Rob" foi encontrado dois revólveres, um calibre 38, com cartuchos deflagrados e intactos também.

"Rob" havia sido preso no dia 28 de abril deste ano por militares do 1º Pel, onde foi encontrado em poder do falecido na época R$150 em dinheiro e uma trouxa de maconha. Para os militares, "Rob" disse se chamar Lucas Silva dos Santos, mas o mesmo foi reconhecido pelos investigadores da Polícia Civil que prosseguiram com as investigações indo até à casa onde "Rob" morava, lá a polícia encontrou no interior do imóvel um caderno de anotações, nove trouxas de maconha, várias embalagens plásticas para acondicionar drogas, um isqueiro com as iniciais BDB que são as iniciais do Bonde do Maluco e quatro aparelhos celulares.

Versão da família
O pai da vítima disse em entrevista para exclusiva para a nossa reportagem, que não houve trocas de tiros, que "Rob" havia sido retirado de dentro do banheiro de casa, e já rendido, havia sido alvejado por vários tiros.


A versão aparentemente não se sustenta diante das evidências dos fatos acima citados de acordo com a versão policial, mas mesmo assim a nossa reportagem abriu espaço para os familiares numa forma democrática e imparcial como sempre trabalhamos e reafirmamos mais uma vez o nosso compromisso com o verdadeiro lado da notícias.

Se realmente a família diz a verdade ou não, cabe as autoridades competentes investigar tal versão. O nosso papel quanto profissionais de imprensa é dar vez e voz aos dois lados das partes interessadas em questão para equilibramos a balança da justiça.
Veja a entrevista no play abaixo

#ForteNoReconcavo

Um comentário:

  1. Esse pai e só mais um que defende a vida suja do filho. esse miserável ja roubou muito e fazia avião para Jefinho levava drogas para Sao Jose, toquinha, e vendia droga na pumba. vai para o inferno ROB.

    ResponderExcluir