quinta-feira, 21 de junho de 2018

Ponte de Pedra do Cavalo não corre risco de desabar; afirma Dnit e Crea

Cerca de seis rachaduras que surgiram na BR-101, na ponte próxima à barragem Pedra do Cavalo, que fica sobre o Rio Paraguaçu, no município de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, têm, em média, cinco centímetros de profundidade e algumas chegam a 17 cm de largura.

As fissuras, que apareceram no mesmo ponto da rodovia, vão de um canto a outro da ponte, que possui 500 metros de extensão. Apesar disso, a superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), na Bahia, voltou a afirmar que os danos no local são apenas superficiais e não há problema estrutural na ponte.

Conforme o órgão, as rachaduras não apareceram de repente. Elas teriam levado meses, talvez anos para chegar a esse ponto. Com o tempo, as chuvas e o trânsito pesado, principalmente de caminhões, contribuem para que elas apareçam.

“Essa aqui é só uma parte do asfalto que se soltou da junta de dilatação. Isso aqui com uma manutenção, aplicação de asfalto, ele some e futuramente volta a ocorrer, mas é normal”, tranquiliza o engenheiro do Dnit, Frederico Silva.

Inspetores do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) também estiveram no local e analisaram a área. Eles também sustentam que as rachaduras não representam risco para os motoristas.

A ponte Pedra do Cavalo foi construída em 1985. A estrutura é composta por dez lajes de concreto na horizontal, sustentadas por imensos pilares.

Apesar da informação dos órgãos, tem motorista que passa pela rodovia, mas segue preocupado. “Trafegam muitos caminhões e com um tempo, ela [a ponte] pode ter mais complicações. Está no momento de resolver logo, né?”, disse o microempresário, José Marcos dos Santos.

“Não há risco na trafegabilidade, na segurança aqui da ponte. O pessoal pode passar tranquilo”, enfatizou o inspetor do Crea, o engenheiro Gerinaldo Costa.


F: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário