quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Coronel da PM é preso durante a Operação "Vulcano" da Polícia Federal

Três pessoas foram presas em Feira de Santana numa operação da Polícia Federal de combate a golpes no programa federal de desarmamento que está acontecendo em alguns municípios baianos. Entre os presos o coronel da Polícia Militar Martinho, e os irmãos Clóvis Nunes, coordenador nacional da ONG MovPaz Brasil, e Carlos Nunes. Martinho foi comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar do município.

Segundo informações, os irmãos são acusados de manter um esquema em que fabricavam armas artesanais, depois repassadas à ONG. Em troca, os suspeitos receberiam a taxa indenizatória. Ainda segundo a polícia, os irmãos falsificavam recibos e recebiam outros valores. A PM e várias ONGs da cidade estariam envolvidas no esquema e o prejuízo aos cofres público é de cerca de R$ 1 milhão. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Feira de Santana.

A operação está sendo realizada nos municípios baianos de Feira de Santana, Cícero Dantas, Antas e em Fortaleza, no Ceará. A ação, batizada de "Vulcano", cumpre 23 mandados: 12 de busca e apreensão, seis de prisão temporária e cinco de condução coercitiva (para cumprimento de pena).


F: Bahia no Ar

3 comentários:

  1. Este coronel e a vergonha de nossa briosa P M como pode uma instituição melhorar com alguém com o procedimento assim como este coronel Martinho.Por isso que os governos fazem da polícia baiana o que bem querem e onde está a moral para exigir algo de bom para a corporação? Vamos torcer para que os que forem promovidos não tenham este mesmo predicado caso contrário está briosa polícia militar da Bahia vai falir.

    ResponderExcluir
  2. Este coronel e a vergonha de nossa briosa P M como pode uma instituição melhorar com alguém com o procedimento assim como este coronel Martinho.Por isso que os governos fazem da polícia baiana o que bem querem e onde está a moral para exigir algo de bom para a corporação? Vamos torcer para que os que forem promovidos não tenham este mesmo predicado caso contrário está briosa polícia militar da Bahia vai falir.

    ResponderExcluir
  3. Eu conheço o caso e posso garantir que ele foi bucha de um sistema ineficiente. Ele foi preso por possuir uma arma sem registro e não pela falha no sistema de cadastro de armas e a fraude de duplicidades. Foi negligente ter permitido outros ter sua senha e que sirva de lição a TODOS.

    ResponderExcluir