domingo, 6 de janeiro de 2019

Imagens inocentam comerciante apontado como suspeito da morte de pastora, conclui delegado

Após ter acesso a imagens e depoimentos colhidos de pessoas envolvidas na confusão que terminou na morte da pastora Norma Lúcia Pereira Daltro Souza, 52 anos, na noite de terça-feira (1º), o delegado Rodolfo Faro concluiu que o comerciante Erisvaldo da Silva Almeida, 30 anos, não atirou na vítima. O autor dos disparos, Adailson Macedo Almeida, 24 anos, foi preso em flagrante, segundo a polícia.

Erisvaldo foi apontado como participante do assassinato, mas imagens de câmera de segurança da residência dele, que fica de frente com o local onde ocorreu o homicídio, mostram todo o evento e serviram para o trabalho investigativo da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).


“Pelas imagens e pelos depoimentos até então conlhidos, inocentam o Erisvaldo. O autor dos disparos, Adailson, que foi autuado em flagrante, foi efetivamente o responsável pelos disparos que culminaram na morte da dona Norma e agora a polícia vai concluir as investigações com oitivas das demais pessoas flagradas nessas imagens”, declarou o delegado.

Faro informou ainda que tem 10 dias para concluir o inquérito e que cada um que foi flagrado armado, nas imagens, responderá pelos seus atos.

Erisvaldo se apresentou ontem e hoje na DHPP, acompanhado pelo advogado Bender Nascimento e contou que as imagens foram fundamentais para mostrar que não estava armado e provar sua inocência. Segundo ele, havia uma rixa antiga entre ele e familiares da pastora, mas não soube explicar o motivo dos desentendimentos.

Ele disse também que é comerciante, nunca se envolveu com a polícia e que no dia do crime, foi avisado de tarde que estavam armando uma emboscada, mas quando esperou anoitecer e voltando para casa, foi surpreendido pelos filhos da pastora.
“Tava no bar, eles mandaram um recado por um colega meu que quando eu chegasse na rua, de hoje não passava, aí, isso foi de tarde, quando eu vim pra casa, de noite, eles estavam me esperando. Já vieram os filhos dela (pastora), cada um com uma arma e atirando. Ela veio atrás, ciente da confusão, não impediu os filhos de pegar a arma. Nas imagens, mostra tudo claro e aí começou a confusão. Aí, surgiu um rapaz que eu não tinha amizade e deflagrou os tiros, como a imagem está mostrando tudo certinho”, contou Erisvaldo.

Ainda de acordo com ele, as imagens mostram dois filhos da pastora armados e alega que não foi atingido porque as armas não deflagraram os cartuchos. “Nas imagens nota os dois atirando, mas a arma não disparou. Deram tiro, mas a bala não saiu”.
Para o advogado Bender Nascimento ficou comprovado através do depoimento de seu cliente, de testemunhas e provas materiais (imagens) a inocência de Erisvaldo e no trabalho investigativo da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

F: Blog Central de Polícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário