sábado, 3 de fevereiro de 2018

CACHOEIRA: Macacos aparecem mortos misteriosamente na Murutuba

Moradores do povoado da Murutuba (zona rural) do município de Cachoeira, no Recôncavo da Bahia, estão apreensivos com a morte misteriosa de macacos do tipo 'mico estrela'. Uma mulher usou as redes sociais para chamar a atenção das autoridades competentes sobre a suspeita de que os animais tenham morrido contaminados pela febre amarela. Ainda segundo relatos da denunciante, ninguém ligado a vigilância epidemiológica ou da Secretária Municipal da Saúde foi ao local averiguar.
Um surto de febre amarela se espalhou por todo o país e especialistas afirmam de que locais onde aparece esses animais mortos pode ser indicativo de um possível surto da doença. A reportagem do Jornal Forte no Recôncavo entrará em contato com as autoridades competentes do município na próxima semana para saber quais medidas serão tomadas a partir dessa suspeita.

Os macacos são as vítimas e não vilões
Na verdade, os macacos, assim como os seres humanos, são vítimas da doença, que também pode matá-los, e não efetivos causadores, como muitos podem erroneamente pensar. Não há como vacinar os macacos que vivem em áreas de mata, contrariamente ao que ocorre com os humanos, que podem se vacinar.

Na verdade, no ciclo silvestre da febre amarela, os macacos são os principais hospedeiros do vírus, mas os vetores, ou seja, aqueles que carregam o vírus e o transmite, são os mosquitos com hábitos estritamente silvestres, que vivem nas matas.

Durante essa fase do ciclo, o ser humano pode se tornar um hospedeiro acidental, quando ele entra em áreas de mata e é picado pelo mosquito que carrega o vírus.

Já no ciclo urbano, ou seja, quando a febre amarela passa a acometer as pessoas, o homem é o único hospedeiro. Ou seja, uma pessoa contaminada é picada pelo mosquito Aedes aegypti (sim, ele mesmo!), que pode picar outras pessoas e assim a contaminação pode ganhar proporções enormes.

O principal reservatório é, portanto, o mosquito. O macaco se tornou apenas um hospedeiro na mata, assim como o ser humano nas cidades.

Devemos pensar em todas as espécies de macacos como guardiões, ou seja, encontrar esses animais mortos ao redor de áreas de mata pode indicar a presença do vírus na região, o que vai gerar a necessidade de campanha de vacinação das pessoas, antes que ocorram casos humanos da doença.

Portanto, a preservação dos macacos é essencial para a prevenção da febre amarela. É preciso informar a Secretaria de Saúde do seu município sempre que encontrar esses animais mortos, para que a causa dos óbitos seja investigada.


Com informações do Jornal Forte no Recôncavo/ Canal Pet.iG

Nenhum comentário:

Postar um comentário