loading...

sábado, 14 de novembro de 2020

China encontra coronavírus em embalagens de carne bovina brasileira

 A cidade chinesa de Wuhan divulgou hoje que detectou ontem o novo coronavírus em embalagens de um lote de 27 toneladas de carne bovina de origem brasileira. Segundo a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan, três amostras positivas da covid-19 foram encontradas na parte externa de embalagens de carne bovina congeladas procedentes do Porto de Santos, o maior do Brasil, localizado no litoral de São Paulo.


A carne bovina entrou na China por meio do Porto de Qingdao, na costa leste do país asiático, em 7 de agosto, e chegou a Wuhan dez dias depois, no dia 17, onde permaneceu em um frigorífico até recentemente. De acordo com a comissão, o lote "não havia entrado no mercado" chinês. Medidas de segurança foram adotadas no local onde ele se encontra, como isolamento e desinfecção da área, completa o órgão.

Segundo apuração da Reuters por meio do código de registro do lote fornecido pelo órgão, a carne é originária de uma fábrica de propriedade da companhia brasileira Marfrig, que disse à agência de notícias que não vai comentar o assunto. Teste de alimentos Depois de tomar medidas enfáticas para controlar a propagação da covid-19 no começo do ano, a China passou a também testar alimentos importados a partir de junho. No mês de setembro, a comissão de Wuhan encontrou apenas 22 amostras positivas entre quase 3 milhões de testes. Entretanto, com a descoberta de alguns trabalhadores portuários infectados com o novo coronavírus, o órgão intensificou os testes e a desinfecção das importações de alimentos durante esta semana. Segundo a Comissão Municipal de Saúde, mais de 100 funcionários da instalação onde foram encontradas amostras positivas do novo coronavírus foram submetidos a testes. Todos apresentaram resultados negativos. Também esta semana, autoridades de Nankin encontraram o novo coronavírus em uma embalagem da carne bovina originária da Argentina. A China é o maior comprador de carne bovina do mundo, e o Brasil e a Argentina são seus maiores fornecedores.

Com informações de Dominique Patton, da Reuters, e da AFP, em Pequim (China)

Nenhum comentário:

Postar um comentário