domingo, 30 de janeiro de 2022

Setor de turismo da Bahia tenta recuperação, mas variante ômicron e surto gripe preocupam

A Bahia tem uma diversidade de paisagens, de manifestações artísticas e religiosas que faz com que diversas regiões sejam pontos turísticos muito visitados por brasileiros e estrangeiros. O avanço da vacinação no país e no mundo possibilitou um aumento de 176,5% no volume das atividades turísticas no estado no segundo trimestre de 2021, de acordo com a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais do estado.

As atividades do setor de turismo baiano foram bastante afetadas pela pandemia, e começaram a dar sinais de recuperação em 2021. Apesar dessa recuperação, os desafios não desapareceram para quem trabalha na área.

No Vale do Pati, localizado na Chapada Diamantina, o verão é uma época que atrai muitos visitantes. O uso de máscara, mesmo sendo recomendado, não é algo comum entre os turistas.

As consequências puderam ser sentidas por todo o Vale, como explica Thays Medeiros, moradora da região. "As casas em geral tentam cumprir seus protocolos, mas, devido ao fato de as pessoas virem para esses ambientes naturais em busca de um ar puro, elas não estão usando máscaras. O que a gente teve agora nesse final de ano foi um saldo bem triste, pois, em todas as casas, tivemos pessoas doentes. Como não tivemos acesso a testes, não sabemos se de covid ou gripe", conta.

Em Cachoeira, no Recôncavo baiano, Alexandro Simão, mais conhecido como Sandro Guia, começou muito jovem o trabalho com turismo. Junto com outros profissionais da área, fundou a Associação de Guias, Condutores e Monitores de Turismo do estado da Bahia, que reúne cerca de 150 guias e condutores associados.

De acordo com ele, houve uma recuperação das atividades na região. "Desde novembro nós tivemos um aumento do fluxo de pessoas aqui em Cachoeira e isso tem melhorado muito. Estamos tendo mais serviços. Até pelo fato de estarmos em alta estação, apesar de ainda estarmos com a pandemia e também do surto de gripe. Mas a gente está conseguindo ter um fluxo melhor do que em 2020 e 2021", observa.

Salvador

Em Salvador, grandes festas de rua, a exemplo do carnaval, seguem sem acontecer por mais um ano. A decisão leva em conta o aumento dos casos de contaminação pela nova variante e também o surto de gripe.

Rivanete Rodrigues é guia de turismo há 22 anos na capital baiana e preside o Sindicato dos Guias de Turismo da Bahia. Ela compartilha que esse é um momento difícil para o setor: "O setor de turismo aqui na capital vem atravessando um momento bastante difícil. Mesmo com o avanço da vacinação, ainda não se conseguiu combater esse inimigo invisível, que mudou totalmente o comportamento social e econômico no que tange ao trabalho dos guias de turismo".

Nos períodos de isolamento em 2020 e 2021, Sandro Guia e outros condutores da região precisaram realizar outros tipos de trabalho para garantir a renda. A expectativa para os próximos meses é que a vacinação siga avançando. "Acredito que, com esse avanço e as pessoas também respeitando os protocolos sanitários estabelecidos pelas autoridades, a gente vai conseguir eliminar esse vírus. A expectativa é que o turismo possa ser reestabelecido", conclui Sandro.

Fonte: BdF Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário