sexta-feira, 4 de março de 2022

iFood e Voltz se juntam para lançar moto elétrica voltada para entregadores de delivery

O aplicativo de delivery iFood e a montadora brasileira de motos elétricas Voltz anunciaram uma parceira que vai resultar em um veículo elétrico exclusivo para os integradores da plataforma. O modelo vai ser lançado nas próximas semanas.

De acordo com as empresas, a iniciativa promete uma economia durante o cotidiano dos entregadores, reduzindo até 70% dos custos com combustível e manutenção na comparação com uma moto tradicional movida a gasolina ou a álcool.

O modelo da moto elétrica do iFood é um EVS Work. O projeto é inédito no segmento de delivery e as empresas destacam também que a iniciativa busca incentivar e auxiliar a viabilização do uso de modais não poluentes no sistema de entregas.

“Queremos impulsionar o cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 13 da ONU, que exige ações contra a mudança global do clima, além de oferecer soluções que compensam financeiramente para as nossas pessoas entregadoras”, afirmou o head de sustentabilidade do iFood, André Borges.

ECONOMIA
Números apresentados pelo próprio iFood mostram que um entregador que percorre 2.000 km por mês tem um custo mensal em torno de R$ 380 de gasolina (considerando o litro a R$ 6,55). Já com a moto elétrica, esse gasto cairia mais de 60%.

Ao incluir a manutenção do veículo, o custo para o entregador chega a cair 70%, de acordo com a empresa. Os parceiros do iFood interessados na moto elétrica vão poder realizar a compra do veículo na pré-venda em breve.

Ainda segundo a plataforma, quem comprar uma EVS Work durante a pré-venda vai ter descontos e facilidades no financiamento, incluindo taxas mais baixas. O preço oficial não foi confirmado, mas uma moto do tipo custa R$ 16.490 no site da Voltz.

​A previsão é que, até o final de 2022, cerca de 10 mil motos elétricas frutos da parceria entre Voltz e iFood estejam nas ruas, o que deve evitar a emissão até 30 mil toneladas de CO2 que seriam lançados na atmosfera em um ano, de acordo com as empresas.

F: Tudo Celular.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário