quarta-feira, 8 de junho de 2022

Cruz das Almas vai investir R$ 4,5 milhões em festa junina; MP-BA monitora contratação de artistas

Após as duas suspensões da Festa da Banana, na cidade de Teolândia, no sul da Bahia, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) anunciou que tem acompanhado os gastos dos municípios baianos com as festas juninas.

"A gente faz até um apelo para que os gestores possam reunir suas equipes técnicas, reavaliarem a situação dos seus municípios, verificarem se as suas atuações em relação aos festejos juninos estão adequadas à saúde financeira dos seus respectivos municípios, e assim possamos ter um São João de alegria, mas também de responsabilidade com a gestão do dinheiro público", disse o promotor de Justiça, Frank Ferrari.

Após dois anos sem a festa temática por conta da pandemia, o município de Cruz das Almas, no Recôncavo baiano, vai investir este ano R$ 4,5 milhões, sendo R$ 2 milhões em recursos próprios.

A Festa da Banana foi cancelada duas vezes – uma pela Justiça da Bahia e outra pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O evento seria realizado dos dias 4 a 13 de junho, e custou R$ 2 milhões em recursos do município.

A polêmica do cancelamento da festa surgiu porque Teolândia foi uma das cidades afetadas pelas chuvas que caíram no estado baiano no final de 2021. Desde 26 de dezembro, o município está em estado de emergência e recebeu R$ 2,3 milhões do governo federal – valor próximo ao gasto pela gestão com o evento.

O cachê dos artistas foi destacado pelo MP-BA, que fez o pedido de cancelamento à Justiça.

O festival começou no sábado (4) e terminaria no dia 13 de junho. Entre as 28 atrações que se apresentariam, o MP-BA destacou cinco cujos cachês eram superiores a R$ 100 mil:

Gusttavo Lima: R$ 704 mil; Unha Pintada: R$ 170 mil; Adelmário Coelho: R$ 120 mil; Marcynho Sensação: R$ 110 mil; Kevy Jonny e Banda: R$ 100 mil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário